TV Escola começa a implementar janela de Libras em sua programação

Home TV EscolaTV Escola começa a implementar janela de Libras em sua programação

TV Escola começa a implementar janela de Libras em sua programação

A TV Escola dá mais um passo para tornar sua programação o mais acessível possível para todo o tipo de público. A emissora iniciou um projeto para inserir a janela de Libras em seus programas. Gerida pela Roquette Pinto Comunicação Educativa, que também mantém a TV Ines, uma webtv para a comunidade surda, a TV Escola começa a implementação de mais uma ferramenta de acessibilidade, que já conta com a audiodescrição e o closed caption.

O programa Curta Mostra Geração será o primeiro a receber a nova opção de acessibilidade. Todos os 15 primeiros episódios da 2ª temporada do programa serão reexibidos a partir do dia 1 julho, com o horário das 13h30 reservado para a exibição com a janela de Libras.

Claudia Jacob, gerente de acessibilidade da TV Escola, está à frente do projeto, garantindo o cumprimento à Lei n° 10.098, de dezembro de 2000, mais conhecida como Lei da Acessibilidade, que atende a 582 mil cegos e 2,7 milhões de surdos no Brasil, de acordo com Censo 2010, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Jacob afirma que a TV Escola sai na frente e vai possibilitar a comunidade surda – estimada em mais de nove milhões de brasileiros – acesso à Língua Brasileira de Sinais no conteúdo do programa Curta Mostra Geração. “Nosso projeto respeita as regras da ABNT com a medida adequada da janela em LIBRAS, para que os surdos tenham a clareza dos sinais. É o nosso respeito às diferenças linguísticas existentes no nosso país e o respeito às leis de acessibilidade”, afirma

O projeto vai abranger também os programas Professor Presente e Rede Escola, a médio e longo prazo, com cronograma para implementação ainda a ser definido.

No Brasil, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é reconhecida legalmente como um meio de comunicação e expressão entre os cidadãos em que o sistema linguístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constitui uma língua de transmissão de ideias e fatos oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.

A Organização das Nações Unidas (ONU) enfatiza, como fundamentais, o direito à informação e à comunicação, que são essenciais para o exercício da cidadania. A informação deve ser oferecida igualmente a todos.

Para mais informações sobre o projeto, Claudia Jacob está disponível no e-mail claudiajacob@roquettepinto.org.br e também pelo telefone (21) 3282-6240.