Hino Nacional Brasileiro em Libras

Home TV INESHino Nacional Brasileiro em Libras

Hino Nacional Brasileiro em Libras

destaque-tvines

Adaptação poética do hino estreia na TV INES.

“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas…” Assim começa o Hino Nacional Brasileiro, cantado pela primeira vez em 1831 e agora adaptado para a Língua Brasileira de Sinais (Libras) pela Roquette Pinto. O diretor da TV INES, Fábio Batista, contou com a participação da intérprete Andreza Macedo, para adaptação da letra, e do ator Bruno Ramos, professor da Casa das Artes de Laranjeiras (CAL), surdo, que apresenta o hino no vídeo. Todas as quatro locações foram no Parque Lage, zona sul do Rio de Janeiro, e as cores da bandeira se alternam no figurino do ator.

Segundo Joana Peregrino, Gerente da TV INES, “o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) já tinha uma versão do hino brasileiro adaptado e nos encomendaram um novo produto. Então, a ideia foi fazer uma versão mais poética do hino, sem o compromisso do significado literal de palavra por palavra que, muitas vezes, é ininteligível mesmo para os ouvintes, dado o vocabulário rebuscado em algumas partes”.

Para o diretor Fábio Batista, foi um projeto desafiador, desde a sua concepção à prática: “fizemos uma imersão no significado de cada palavra. Depois, foi feito todo um planejamento e decupagem dos planos a serem gravados, os que seriam abertos e quais seriam mais fechados. Após duas semanas de ensaios, levamos um dia, das 8h às 19h, para gravação do material”.

Fábio explica que a opção por alguns planos mais fechados foi devida a um processo de experimentação estética ou “possibilidade de brincar”, já que, em geral, os planos de gravação para o público surdo são sempre mais abertos, como garantia de mostrar todo o gestual da Libras. “O surdo fala com o corpo inteiro e, neste sentido, o movimento dos braços e a postura têm muito a dizer. E, em se tratando desta versão mais poética do hino brasileiro, o público pode perceber um ‘plus’ na interpretação do ator ou uma potencialização no que já é próprio dessa língua”.

Acesse aqui para assistir.

Roquette Pinto